background2
Projetos de sistemas fotovoltaicos

A partir de 2014 a Tannure@Tel passa a atuar também na área de projetos de Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede e Sistemas Fotovoltaicos Isolados.

O Brasil vive um momento crítico quando o assunto é energia elétrica. Baseado principalmente em geração de energia a partir da força hidráulica, é necessário que os reservatórios das usinas hidrelétricas em todo o país estejam com níveis satisfatórios de água para que a geração de energia elétrica não seja comprometida.

Mas o que fazer se o clima não é mais o mesmo, e as chuvas deixam de cair como antes naqueles períodos de sempre?

Os reservatórios das usinas vão ficando cada vez mais vazios até que chegue o momento de ser necessário desligar os geradores. As usinas térmicas então passam a operar cada vez mais para suprir a demanda de energia elétrica da sociedade, queimando gás, carvão ou óleo, e poluindo bastante o nosso meio ambiente.

E o kWh gerado pelas termelétricas é muito mais caro que o gerado nas hidrelétricas! Estamos sentindo no bolso os aumentos constantes das tarifas de energia elétrica desde o ano passado. E em 2015 esses aumentos continuarão nos assustando!

Em função desse grave panorama energético do Brasil, a produção de energia elétrica a partir da luz solar (geração fotovoltaica) passou a ganhar cada vez mais destaque. O número de pessoas interessadas em produzir a energia elétrica que precisam no seu dia-a-dia é cada vez maior. E com a resolução nº482 da ANEEL, publicada em 17 de abril de 2012, ficou muito fácil produzir energia elétrica em casa, a partir da luz solar!

E não podemos esquecer dos benefícios ambientais que essa tecnologia nos oferece: a luz do sol é um recurso natural e abundante no Brasil. Além disso é sem custo: o sol é de todos e para todos!

Os Sistemas Fotovoltaicos Conectados à Rede Elétrica

Os sistemas fotovoltaicos conectados à rede dependem da presença da energia elétrica da distribuidora para poder funcionar. Muitas pessoas, ou a grande maioria, não sabem disso! Acham que se a energia elétrica vai ser produzida a partir da luz do sol, poderão ficar totalmente independentes da energia elétrica fornecida pela distribuidora. Isso só é possível através dos Sistemas Fotovoltaicos Isolados, que veremos mais adiante.

Como o Sistema Fotovoltaico Conectado à Rede trabalha em paralelo com a rede elétrica da distribuidora, tem que haver um total sincronismo entre as duas fontes de energia (rede e sistema FV).

O inversor é o equipamento do sistema FV que transforma a energia em corrente contínua gerada pelos painéis fotovoltaicos em energia elétrica de corrente alternada, aquela energia que nossos aparelhos eletrodomésticos consomem normalmente. Quando se liga o inversor de um sistema fotovoltaico conectado à rede pela primeira vez, ele não gera energia elétrica instantaneamente. Uma série de procedimentos eletrônicos é feita inicialmente. São eles:

1.Verifica se há a presença de tensão da rede elétrica da distribuidora ligada na sua saída;

2.Verifica se o nível de tensão da rede da distribuidora está dentro da faixa permitida pelo equipamento;

3.Verifica se a frequência da rede da distribuidora está também dentro dos limites permitidos pelo equipamento.

Verificados todos esses parâmetros o inversor passa a gerar a energia elétrica em total sincronismo com a rede elétrica da distribuidora local.

É óbvio que qualquer variação na tensão ou na frequência da rede da distribuidora além dos limites permitidos e previamente já programados no inversor pelo seu fabricante, farão com que o inversor desligue automaticamente.

Essa é uma característica muito importante dos inversores de sistemas fotovoltaicos conectados à rede, chamados também de inversores “on-grid”.

As distribuidoras de energia do Brasil só permitem a utilização de inversores “on-grid” homologados em sistemas fotovoltaicos conectados à rede. Se ainda não foram homologados pelo Inmetro, devem possuir certificados de organismos internacionais e, em particular, certificados que garantam o não funcionamento de forma isolada ou “ilhada” (sem a presença da rede da distribuidora).

Essa importante característica dos inversores “on-grid” é para garantir que toda a rede fique desenergizada, visando garantir a segurança dos trabalhadores da distribuidora na rede elétrica externa. Um inversor que não seja “on-grid”, ligado em paralelo com a rede da distribuidora pode causar sérios problemas, inclusive acidentes fatais.

Os Sistemas Fotovoltaicos Isolados

Os sistemas fotovoltaicos isolados não dependem da presença da energia elétrica da distribuidora para poder funcionar como os sistemas conectados à rede vistos anteriormente. São normalmente instalados onde a rede elétrica da distribuidora não chegou ainda, quase sempre em locais remotos.

A energia elétrica produzida pelos painéis fotovoltaicos durante o dia é armazenada em bancos de baterias para poder ser utilizada mais tarde, quando não haverá mais a luminosidade do sol.

Os sistemas fotovoltaicos isolados são compostos dos painéis fotovoltaicos, de um controlador de carga, de um banco de baterias e de um inversor para alimentar os equipamentos que necessitam de corrente alternada.

A grande diferença desses sistemas para os conectados à rede está na necessidade de se armazenar a energia elétrica em um banco de baterias. Para isso é necessário o controlador de cargas que permite que as baterias sejam carregadas da melhor maneira possível. À noite, a energia armazenada nas baterias pode alimentar algumas cargas específicas em corrente contínua, ou outras cargas em corrente alternada através do inversor.

As baterias são o ponto mais fraco dos sistemas isolados. E possuem também um custo muito alto, uma necessidade maior de manutenção, além de um tempo de vida útil muito menor que os demais equipamentos do sistema. Por essa razão os sistemas isolados são muito específicos e quase sempre utilizados somente em locais onde não existe outra opção para o fornecimento de energia elétrica.